Parábola das minas (Parte 2) – Jesus mandou matar? (Lucas 19:27)

17/11/2016 12:30

                   

Jesus disse: "Um homem de nobre nascimento foi para uma terra distante para ser coroado rei e depois voltar.
Então, chamou dez dos seus servos e lhes deu dez minas. Disse ele: ‘Façam esse dinheiro render até à minha volta’.
"Mas os seus súditos o odiavam e depois enviaram uma delegação para lhe dizer: ‘Não queremos que este homem seja nosso rei’.
"Contudo, foi feito rei e voltou. Então mandou chamar os servos a quem dera o dinheiro, a fim de saber quanto tinham lucrado.
"O primeiro veio e disse: ‘Senhor, a tua mina rendeu outras dez’.
" ‘Muito bem, meu bom servo! ’, respondeu o seu senhor. ‘Por ter sido confiável no pouco, governe sobre dez cidades’.
"O segundo veio e disse: ‘Senhor, a tua mina rendeu cinco vezes mais’.
"O seu senhor respondeu: ‘Também você, encarregue-se de cinco cidades’.
"Então veio outro servo e disse: ‘Senhor, aqui está a tua mina; eu a conservei guardada num pedaço de pano.
Tive medo, porque és um homem severo. Tiras o que não puseste e colhes o que não semeaste’.
"O seu senhor respondeu: ‘Eu o julgarei pelas suas próprias palavras, servo mau! Você sabia que sou homem severo, que tiro o que não pus e colho o que não semeei?
Então, por que não confiou o meu dinheiro ao banco? Assim, quando eu voltasse o receberia com os juros’.
"E disse aos que estavam ali: ‘Tomem dele a sua mina e dêem-na ao que tem dez’.
" ‘Senhor’, disseram, ‘ele já tem dez! ’
"Ele respondeu: ‘Eu lhes digo que a quem tem, mais será dado, mas a quem não tem, até o que tiver lhe será tirado.
E aqueles inimigos meus, que não queriam que eu reinasse sobre eles, tragam-nos aqui e matem-nos na minha frente! ’ "

Lucas 19:12-27
 
Neste site foi sempre nosso intuito explicar as passagens mais “difíceis” do evangelho. Dizemos “difíceis” pois algumas delas exigem mais estudo e investigação por parte do leitor, sendo que se lidas de forma descontextualizada poderão levar a falsas e erróneas conclusões. Hoje vamos abordar uma das mais polémicas frases de Jesus, dita na parábola das minas. A parábola das minas já foi por nós abordada e aí expusemos o seu significado e mensagem, veja referências (1).
Mas nessa ocasião deixamos propositadamente a última frase de fora da análise, o versículo 27:
 
E aqueles inimigos meus, que não queriam que eu reinasse sobre eles, tragam-nos aqui e matem-nos na minha frente!"
Lucas 19:27
 
E assim o fizemos porque a abordagem a esse versículo merece uma atenção particular. 
Será que Jesus nessa frase mandou matar violentamente todos os que não aceitassem a sua mensagem?
Infelizmente essa frase é muitas vezes usada por descrentes e céticos para acusar Jesus de tal, mas para quem conhece e enquadra contextualmente a passagem em toda a mensagem do evangelho sabe que isso não é verdade.
Jesus sempre foi totalmente contra o uso de violência em todo o seu discurso, ele mesmo advertiu duramente os seus discípulos quando estes assim o sugeriram:
Ao verem isso, os discípulos Tiago e João perguntaram: "Senhor, queres que façamos cair fogo do céu para destruí-los? "
Mas Jesus, voltando-se, os repreendeu, dizendo: "Vocês não sabem de que espécie de espírito são, pois o Filho do homem não veio para destruir a vida dos homens, mas para salvá-los";

Lucas 9:54,55
 
Outra vez referiu ainda a Pedro que:
Então Jesus disse-lhe: Embainha a tua espada; porque todos os que lançarem mão da espada, à espada morrerão.

Mateus 26:52
 

Então como explicar essas duras palavras de Jesus no fim da parábola das minas?

 
Em primeiro, lugar Jesus estava contando uma parábola. E o que é uma parábola?

Parábola (figura de estilo)

Parábola é uma narrativa curta que, mediante o emprego de linguagem figurada, transmite um conteúdo moral. Difere do apólogo, por ser protagonizada por seres humanos. Eram muito comuns entre os hebreus e o seu principal contador de parábolas foi Jesus Cristo, que possui várias parábolas registadas no Novo Testamento.
Trata-se pois de uma narrativa alegórica, que, por meio deação ou analogia, transmite preceito moral ou religioso - a exemplo das parábolas encontradas nos Evangelhos.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Par%C3%A1bola_(figura_de_estilo)
 
 
Ou seja, uma parábola não é para ser interpretada literalmente, ela é uma narrativa alegórica que tenciona traçar um paralelo com a realidade para melhor transmitir uma ideia, preceito moral ou espiritual.
Sendo assim a primeira conclusão a tirar observando a plenitude do evangelho é que Jesus não pretendia que seus discípulos tirassem a vida a ninguém, mas que entendessem o que aconteceria a quem o rejeitasse quando do seu retorno a este mundo para o julgamento final. Sobre isso o leitor deve reparar que na parábola a ordem de "morte" é dada após o retorno do nobre duma viagem na qual foi coroado Rei.
Ora se Jesus representa esse nobre é óbvio que o paralelo a ser traçado é com o que acontecerá com a humanidade após o seu retorno a este mundo para o julgamento final, com Jesus já entronizado como Rei do Universo.
 
Uma outra importante situação é que se deve ver que o destino “morte” é apenas dado aos que o odeiam:
 
"Mas os seus súbditos o odiavam e depois enviaram uma delegação para lhe dizer: ‘Não queremos que este homem seja nosso rei”
Lucas 19:14
 

Mas e então serão estes realmente mortos?

A verdade é que o evangelho afirma que Jesus é: Luz, Amor, Rei do Universo e é VIDA! Sendo assim todos os que o odeiam e rejeitam a sua mensagem escolhem a mentira, trevas e a consequente MORTE!
Por muito que custe a quem não gosta de Jesus e da sua mensagem, a parábola apenas constata o óbvio e indica claramente o que acontecerá a todos os que rejeitam a salvação oferecida gratuitamente por Ele. Na verdade a morte é já uma certeza neste mundo, pelo que ninguém deverá ficar surpreendido com a constatação óbvia da parábola.
 
 

Conclusão

O que torna Jesus alguém que ou se ama ou se odeia, é que ELE DIZ A VERDADE!
Jesus não nos veio apenas trazer uma mensagem confortável, de forma a enganar os homens, falando apenas de amor mas não das consequências da rebelião e do pecado, tal como muitas religiões fazem. Jesus veio indicar que neste mundo somos escravos do pecado e de Satanás que reina sobre o mesmo. Jesus avisou que o caminho era sair da nossa zona de conforto, tomar a própria cruz e segui-lo, rejeitar os parâmetros de falsa justiça deste mundo e aceitar a Justiça de Deus que por sua misericórdia abriu a porta da Salvação pela morte do seu filho amado.
Jesus na parábola, dizendo a verdade, apenas constata que aqueles que o odeiam e não se querem entregar a Ele, irão para as trevas exteriores depois de Sua segunda vinda. Estes querem viver sob seus próprios padrões morais e serem seus próprios deuses e salvadores.
Toda as criaturas humanas já são por natureza culpadas, rejeitar o sacrifício de Jesus é rejeitar o perdão de Deus, é desonrá-lo e voltar-lhe as costas. Nesse caso a Deus não resta outra saída que seja respeitar a vontade dessas almas e dar a inevitável ordem de rejeição de seu Reino Eterno.
Ora quem rejeita a Luz escolhe as trevas e nas trevas todos acabarão por mais tarde ou mais cedo encontrar a inevitável Morte!
 
"Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim também acontecerá no fim desta era.
O Filho do homem enviará os seus anjos, e eles tirarão do seu Reino tudo o que faz tropeçar e todos os que praticam o mal.
Eles os lançarão na fornalha ardente, onde haverá choro e ranger de dentes.
Então os justos brilharão como o sol no Reino do seu Pai. Aquele que tem ouvidos, ouça".

Mateus 13:40-43

 

Referências:

(1) Parábola das minas e dos talentos - A missão de TODOS que acreditam em Jesus
 
http://www.nunes3373eb.com/news/parabola-das-minas-e-dos-talentos-a-miss%c3%a3o-de-todos-que-acreditam-em-jesus/ 
 

Fonte:

Jesus mandou matar pessoas na sua frente? (Lucas 19:27)
http://olharunificado.blogspot.pt/2015/11/jesus-mandou-matar-pessoas-na-sua.html