O sinal do profeta Jonas (Parte 1) – O sinal dos céticos

19/10/2014 12:42

                            

“Então alguns dos escribas e dos fariseus tomaram a palavra, dizendo: Mestre, queremos ver da tua parte algum sinal.

Mas ele lhes respondeu e disse: Uma geração má e adúltera pede um sinal, porém, não se lhe dará outro sinal senão o sinal do profeta Jonas;

Pois como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra.

Os ninivitas ressurgirão no juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que está aqui quem é maior do que Jonas.”

Mateus 12:38-41 (ACF)
 
INTRODUÇÃO
Jesus é interpelado pelos fariseus (líderes religiosos judaicos da altura), que pedem um sinal de sua parte, para que se disponham a crer nele, numa demonstração clara de incredulidade, ceticismo e dureza de coração.
Jesus compara aquele grupo de religiosos a uma geração má e incrédula, que depois de tantos sinais e evidências da existência de Deus, ainda pede mais uma prova, simplesmente para satisfazer sua arrogância e soberba.
 
Enquadramento científico
Para alguns exegetas bíblicos, o relato da história de Jonas tem apenas um valor de caráter didático, não devendo ser interpretado como um acontecimento literal.
Mas Jesus só diz a verdade literal e se cita este acontecimento é porque ele verdadeiramente aconteceu. Para o verdadeiro estudioso da Bíblia, não existem histórias relatadas na mesma apenas com valor didáctico, se está escrito, ACONTECEU!
A primeira coisa que faremos é demonstrar como o acontecimento a que Jonas esteve sujeito, ser engolido por uma baleia ou um grande peixe e sobreviver, é cientificamente possível e até já se comprovou:
 Exemplo de cachalote e humano
 
“A expressão " um grande peixe" do relato de Jonas não permite fazer uma identificação com qualquer tipo de ser marinho. Para os que acreditam no relato literal do "grande peixe", procuram identificar que espécie de ser marinho seria. Para uns terá sido um Cachalote, para outros, seria um Grande Tubarão-branco. Recentemente, foi sugerido um outro candidato - o Tubarão-baleia.
É possível que a classificação que diferencia baleia de grande peixe não existisse nos dias de Jesus e nem nos de Jonas, nem na cultura do Israel Antigo.(... )A diferenciação é moderna, surgiu apenas no último milénio, então tanto faz se as escrituras estivessem referindo-se a um grande peixe ou a uma baleia no caso de Jonas.
É conhecido o caso do marinheiro inglês, James Bartley, que foi salvo vivo perto das ilhas Malvinas em fevereiro de 1891, depois de passar quinze horas dentro do ventre de uma baleia da espécie Cachalote, de maneira igual à aplicada a Jonas segundo a Bíblia.
 Tubarão baleia e humanos
 
É conhecido também o caso de outro marinheiro inglês, que caiu no canal de Calais, e foi tragado por um imenso tubarão da espécie "Rhincodon Typus", mais conhecida como "Tubarão Baleia". Este ficou dentro do Rhincodon durante 48 horas, e algumas horas após ser resgatado estava em bom estado, e foi exibido ao público no Museu de Londres. O fato é narrado no livro "The Harmony Science and Scripture", de Harry Rimmer, onde o autor conheceu pessoalmente o personagem da história.”
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jonas_(profeta)
 
Devo ainda referir que a fauna marinha da zona do mediterrâneo na altura de Jonas (7.º Século A.C), era bem diferente da atual, por exemplo; cachalotes povoavam este mar nessa altura conforme podemos também ler na fonte acima, pelo que não é lógico estar a tirar conclusões de qual a espécie que tragou Jonas apenas pela fauna actual.
E é claro que pelo poder de Deus tudo é possível, mas mesmo para homens de pouca fé que só acreditam no que a ciência lhes mostra, mais uma vez temos relatos comprovados que tal acontecimento era perfeitamente possível mesmo sem direta intervenção divina.
 
 A exploração arqueológica, em 2010, de um túmulo intacto do século I, em Jerusalém, revelou aquilo que pode ser a mais antiga imagem cristã. A investigação foi feita utilizando uma câmara robótica que mostrou um conjunto de ossários em pedra calcária, gravados com uma inscrição grega e uma imagem que os especialistas identificam como sendo “claramente cristã”.

A inscrição grega de quatro linhas num dos ossários refere-se a deus “elevando” ou “erguendo” alguém e a imagem esculpida na pedra num ossário adjacente mostra um peixe muito grande com uma figura humana na boca. Os especialistas consideram que se trata da evocação da história de Jonas, profeta do Antigo Testamento. (1)

 
 

Moral da história

 
As gerações atuais têm assumido a mesma posição de incredulidade dos fariseus que pediram a Jesus mais um sinal. As pessoas têm se tornado materialistas ao extremo, se distanciando cada vez mais de uma vida de fé e confiança em Deus. Hoje em dia só se aceita aquilo que é lógico e racional, ou se pode comprovar cientificamente.
No entanto não faltam provas da existência e grandeza de Deus. O seu poder é notório através de tudo que foi criado (Salmo 19: 1; Romanos 1: 20). A harmonia e o equilíbrio de todas as coisas ao nosso redor, são suficientes para convencer o mundo inteiro de que o Senhor é real. Deus não está interessado em fornecer mais provas de sua existência, pois tudo que precisava ser feito para isso, já foi feito.
A maior prova da realidade de Deus foi a manifestação de seu Filho Jesus ao mundo, pois através dele Deus se fez homem e habitou entre nós (João 1: 14). Jesus foi a maior expressão da existência e do poder de Deus, de modo que não há necessidade e não existe sinal maior do que este.
Quem lê o novo testamento e a palavra de Jesus entende que tal sabedoria, lógica e profundidade não pôde vir dum simples homem sem instrução da Palestina há dois mil anos atrás, pois se todos praticassem o que esse homem diz todos tomariam consciência dos seus erros e este mundo era com certeza o paraíso, por isso Ele afirma:
 

“Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz.”

João 18:37-38
 
O sinal do profeta Jonas, que passou três dias e três noites no ventre do grande peixe, foi um sinal profético da morte e ressurreição do Senhor Jesus. Ele foi morto e sepultado, e ficou três dias e três noites sepultado no interior da terra, para depois ressuscitar. Este foi o sinal mais claro que o mundo poderia ter e muitos o viram ressuscitado e acreditaram, espalhando a sua mensagem por todo o mundo. Outros porém, como nós, apenas pela sua palavra vemos a sua Grandeza:

"Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram."
João 20:29

Não há como se manter cético diante destes fatos; por isso não há desculpas para aqueles que insistem em não crer. Pedir outro sinal significa rejeitar tudo o que foi feito, e o que foi feito foi o máximo que Deus poderia fazer, pois Ele deu o seu único Filho para se revelar ao mundo e salvá-lo.
Deus não quer ninguém do seu lado devido apenas a sinais e milagres, Deus quer as almas do seu lado pelo seu próprio livre arbítrio de acreditar em sua mensagem, homens que só querem saber de milagreiros não agradam ao senhor.
O homem deve se aproximar de Deus pela sua palavra e não apenas pelos seus milagres!
 

CONCLUSÃO

O homem agora precisa crer e receber o Senhor Jesus como seu Salvador, entendendo que é pecador. Ele precisa abrir o coração e aceitar a Palavra de Deus como a única verdade, firmando-se nela pela fé. Quando isso acontece, Deus se manifesta com profundidade na vida da pessoa. Ele é honrado quando se crê sem a necessidade de se ver antes, como queria Tomé. Jesus disse:
“Bem-aventurados os que não viram e creram”.
Mas não vamos ficar por aqui e já que falamos no profeta Jonas, na segunda parte vamos examinar a sua história e as profundas lições que dela podemos tirar.
 
Nota Final:
Apenas como curiosidade, devo referir que os radicais islâmicos (ISIS) destruíram em julho deste mesmo ano o túmulo em que se acreditava estar os restos mortais do profeta Jonas:

Muçulmanos destroem túmulo do profeta Jonas e incendeiam 11 igrejas

ISIS inicia nova onda de ataques em Mosul, afirmando “acabar com a idolatria”

http://noticias.gospelprime.com.br/muculmanos-destroem-tumulo-jonas/
Continua…
 
Um abraço!
 
Referências:
 

(1) Túmulo do século I pode esconder exemplo mais antigo de arte cristã

Ossários têm inscrições em grego e uma imagem que remete para a história de Jonas

www.cienciahoje.pt/index.php?oid=53273&op=all
 
 
Fontes:
O SINAL DO PROFETA JONAS
https://www.portalrevelacao.com/minha-biblia/mensagens-nt/48-mateus/261-o-sinal-do-profeta-jonas-mateus-12-38-39