A Bíblia, o julgamento da mulher adúltera e Jesus (act.2017)

24/10/2017 12:24
                             
 

NOTA INICIAL - A LEI DO VELHO TESTAMENTO (Lei Mosaica)

Antes de iniciar a análise desta passagem importa dizer sobre a Lei do Velho Testamento, que hoje pode parecer dura aos nossos olhos, que esta foi dada num contexto histórico e cultural muito diferente do atual. Nessa altura, cerca de 1500 a.C., os povos eram uns autênticos selvagens, assassinos, imorais sem lei, cometendo as maiores atrocidades contra o seu próximo. É nesse contexto que Deus dá a Lei a Moisés, Lei essa que pretendia expor o certo e o errado, mostrando e enquadrando a gravidade de cada pecado individualmente e como este acaba muitas vezes por levar à morte.
Importa ainda referir que existiam na altura já algumas tentativas por parte de outros povos de legislar em suas sociedades, mas a Lei dos Judeus foi um considerável avanço em vários aspetos, inclusive o enquadramento de penas capitais. Tal facto fez do povo judeu o povo moralmente mais evoluido durante séculos, o que por si só mostra os méritos da Lei Mosaica no contexto em que foi dada.
Com o advento de Jesus, este libertou o seu povo do legalismo tendo sido formado o Novo Testamento. A Lei tinha cumprido o seu proposito temporal: Mostrar e Enquadrar o pecado ao homem. Após isso é nos dito que Deus dá aos governos humanos o direito de legislar, estando cada povo sujeito ao seu próprio governo (Romanos 13-1:7). 
.

Jesus e a mulher adúltera

Examinaremos uma das mais famosas passagens do Novo Testamento, mas também uma das mais incompreendidas na sua plenitude. Entraremos directamente na exegese da passagem desconsiderando a polémica que envolve a possibilidade de interpolação desta no evangelho de João, isto porque não duvidamos da sua inspiração e porque manuscritos antigos como o da Peshitta sírica conterem a passagem nesse respectivo evangelho.
Vamos então à passagem:
“Ao romper da manhã, voltou ao templo e todo o povo veio a ele. Assentou-se e começou a ensinar.
Os mestres da lei e os fariseus trouxeram-lhe uma mulher que fora apanhada em adultério.
Puseram-na no meio da multidão e disseram a Jesus: -Mestre, agora mesmo esta mulher foi apanhada em adultério.
Moisés mandou-nos na lei que apedrejássemos tais mulheres. Que dizes tu a isso?
Perguntavam-lhe isso, a fim de pô-lo à prova e poderem acusá-lo. Jesus, porém, se inclinou para a frente e escrevia com o dedo na terra.
Como eles insistissem, ergueu-se e disse-lhes-: Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra.
Inclinando-se novamente, escrevia na terra.
A essas palavras, sentindo-se acusados pela sua própria consciência, eles se foram retirando um por um, até o último, a começar pelos mais idosos, de sorte que Jesus ficou sozinho, com a mulher diante dele.
Então ele se ergueu e vendo ali apenas a mulher, perguntou-lhe: -Mulher, onde estão os que te acusavam? Ninguém te condenou?
Respondeu ela: Ninguém, Senhor. Disse-lhe então Jesus: Nem eu te condeno. Vai e não peques mais.”
João 8:2-11
 

A posição da mulher no Séc. I d.C.

Antes de mais convém que se esclareça que a posição da mulher na cultura do primeiro século era socialmente muito difícil. Elas tinham como função apenas e só cuidar da casa e dos filhos e por pouca coisa eram subjugadas e repudiadas.
 

A mulher adúltera levada a Jesus

 
Neste caso os “mestres da lei” procurando montar uma cilada a Jesus trouxeram-lhe uma mulher apanhada em flagrante adultério e pensavam que tinham encontrado a fórmula certa de descredibilizar o mestre. Isto porque segundo a lei judaica este era um crime punível com apedrejamento e caso Jesus, como Rabino e Mestre, se negasse a aplicar a lei, seria desconsiderado como tal perante o povo. Mas por outro lado se a aplicasse da forma que os fariseus queriam, toda a sua postura de amor e misericórdia pelo pecador cairia por terra. Para os fariseus e mestres da lei esta seria a armadilha perfeita para descredibilizar o Senhor.
Mas perante tal dilema o que fez Jesus?
 
Estranhamente inclinou-se e começou a escrever na terra e fê-lo por duas vezes, e no fim da primeira escrita afirmou:

-“ Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra.”

Como vemos na passagem após as intrigantes escritas do mestre, os fariseus e mestres da lei acusados por sua própria consciência abandonaram o local começando do mais velho até ao mais novo. 
Mas então o que poderá ter o Senhor escrito para totalmente envergonhar esses “mestres da lei” fazendo-os bater em retirada?
Podemos com confiança afirmar que Jesus apenas escreveu a lei dos judeus na terra, e como veremos só isso destruía por completo todo o plano arquitectado contra ele. No caso de adultério, a pena de morte deveria ser aplicada. Todavia, existe algo errado nesse “tribunal farisaico” pois no Velho Testamento diz que serão mortos o homem e a mulher que adulterarem:
“Se se encontrar um homem dormindo com uma mulher casada, todos os dois deverão morrer: o homem que dormiu com a mulher, e esta da mesma forma. Assim, tirarás o mal do meio de ti.”
Deuteronómio 22:22
 
Só que os fariseus apresentam apenas a mulher para receber a sua sentença, o que constitui um grave erro da aplicação da Lei. Se como é dito a mulher foi apanhada em flagrante delito e o homem não foi também acusado pelos fariseus, conhecendo o modo de atuar destes últimos em nada duvidamos que terão entrado em conluio com o homem adúltero para apanhar a mulher em flagrante. Mas isso ia representar um grave problema de aplicação da lei, pois tanto homem como mulher deveriam ser julgados e apedrejados e não apenas um deles.
Sendo assim não temos dúvidas que a primeira escrita do mestre na terra foi Deuteronómio 22:22.
Mas as infracções dos “mestre da lei” não se ficavam por aqui, outro aspecto importante é a idoneidade das testemunhas. Ninguém poderia ser acusado por uma só pessoa (Deuteronómio 19:15) e Deus requeria que a testemunha fosse inocente do crime cometido pelo acusado. Cabiam ainda às testemunhas arremessarem as primeiras pedras (Deuteronómio 17:7):
 
"A mão das testemunhas será a primeira a feri-lo para matá-lo, depois a mão de todo o povo. Assim extirparás o mal do meio de ti."
Deuteronómio 17:7
 
 
Porém, se fosse falsa a acusação, aqueles acusadores que intentaram a morte de seu irmão injustamente, receberiam a punição pela qual planejaram aplicar ao seu próximo (Deuteronómio 19:15-19).
Diante do que foi exposto, quando Jesus afirma “Quem de vós estiver sem pecado, seja o primeiro a lhe atirar uma pedra.” (v. 7), ele está se referindo a essa disposição da lei. Ele ordena que as testemunhas atirem as pedras, em conformidade com Deuteronómio 17:7, contudo, as testemunhas precisavam atender os requisitos acima citados. A justiça deveria ser aplicada por magistrados que andassem em integridade (Deuteronómio 16: 18-20). Bem, ninguém ali naquele contexto era magistrado, e ainda por cima estavam torcendo a justiça não aplicando sequer a lei devidamente. Por isso é que aqueles homens foram saindo um a um e não cometeram o apedrejamento (v.9).
Ora desta forma não duvidamos que a segunda escrita de Jesus tenha sido Deuteronómio 17:7 e foi isso que fez com que um a um os acusadores se tornassem em acusados, sendo totalmente expostos pelo mestre. Assim Jesus sabendo como a lei não foi cumprida pelos acusadores mostra sua misericórdia pela mulher pecadora, mas isto sem que a avisasse para não voltar a pecar.
É que muitos gostam de usar esta passagem de forma a desconsiderar o pecado, mas na verdade Jesus não faz isso, Ele avisa a mulher do erro mas usa de perdão e misericórdia até porque não lhe competia a Ele aplicar a Lei neste caso específico. 
 

Jesus e o término do legalismo

Sabemos que Jesus veio salvar os humanos por sua graça e libertá-los do legalismo, o Novo Testamento de Deus é esse mesmo: APLICAR A GRAÇA E LIBERTAR DA LEI, mas pecado é pecado e devemos evitá-lo.
Assim vemos uma maravilhosa lição de nosso mestre aos legalistas corruptos e também a nós, ensinando-nos a ter cuidado quando acusamos os outros pois nenhum de nós está sem pecado, sendo conveniente fazermos sempre uma introspecção antes de levantarmos acusações contra nossos irmãos.
 

Jesus liberta da lei mas não aprova o pecado

Jesus veio nos dar um novo testamento que se tornou a lei cristã após sua morte e ressureição, e esta lei é fundamentada na misericórdia e no amor, aprendamos com Ele a fazer o certo e o justo.
Cabe a nós louvarmos Aquele que é Santo. Cabe a nós a reverência devida ao Senhor. Ele perdoou a mulher adúltera (v.11) alertando-a de que ela não deveria mais viver na prática do pecado. Isso é comprometimento com a Palavra, algo que nos falta hoje. Como cristãos, devemos ser misericordiosos e buscarmos o tratamento do pecador arrependido. Só não podemos usar uma indulgência frouxa que passa por cima dos mandamentos do SENHOR:
Mateus 5:19“Todo aquele que desobedecer a um desses mandamentos, ainda que dos menores, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será chamado menor no Reino dos céus; mas todo aquele que praticar e ensinar estes mandamentos será chamado grande no Reino dos céus”.
AMÉM SENHOR JESUS!
 

Fontes:

A mulher adúltera e Jesus
http://www.rudecruz.com/a-mulher-adultera.php
Desmistificando o relato bíblico da mulher adúltera
http://bereianos.blogspot.pt/2014/12/desmistificando-o-relato-biblico-da.html#.VZz_YflVikr