Jesus é o verdadeiro Sábado

15/09/2017 16:25
                            
O sábado é uma das instituições mais antigas do mundo, existindo, como a Bíblia deixa claro, desde a primeira aparição do homem sobre a terra, quando Deus o abençoou e santificou. Mais tarde, fazia parte da Lei dada a Moisés e a Israel. Muitos cristãos hoje estão preocupados – às vezes consideravelmente - com a pergunta:

"Devemos estar observando o descanso sabático ainda hoje?"

Existem certos grupos cristãos que sentem que esse é o caso; Na verdade, eles insistem que não somos cristãos genuínos, a menos que observemos o mandamento de Deus para manter o sábado continuamente. São essas afirmações que eu quero examinar agora enquanto analisamos esse registo do livro de Génesis para o sétimo dia.

Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera. Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que criara e fizera.
Génesis 2: 1-3

Devemos tentar desdobrar o enigma desta passagem, os mistérios escondidos que Deus se agrada em esconder em palavras simples. Examinaremos os fatos que nos abrirão a notável verdade que está escondida nesta estranha instituição do sábado. Parece estranho que, após 2000 anos de ensino cristão, o Sábado ainda é pouco compreendido, embora o seu verdadeiro significado seja de importância crucial para nós.
 
A conclusão da obra
A coisa mais notável que a passagem acima indica, que difere completamente dos outros dias da criação, é a ausência de qualquer referência a uma noite ou uma manhã. O registo de todos os outros dias da criação fechou com as palavras, "e houve uma noite e houve manhã, (um primeiro, segundo, etc.)". Mas não há referência à noite ou manhã nesta passagem. Isso ajuda a confirmar o que já vimos nesses "dias" de criação: que esses "dias" não enfatizam principalmente o tempo, mas o desenvolvimento. A noite e a manhã eram indicativas de um processo de desenvolvimento, começando em um estado bastante incompleto e movendo-se em direção ao término. Mas neste sétimo dia não há nenhuma noite e manhã. De fato, duas vezes nesta breve passagem encontramos a palavra "terminada", ocorrendo. "Assim, os céus e a terra foram terminados" (Génesis 2: 1a) e "Deus concluiu sua obra" (Génesis 2: 2b). Obviamente, não há necessidade de desenvolvimento, nenhum lugar para isso. A obra de Deus está completa no sétimo dia, e portanto, nenhuma noite ou manhã é mencionada. Logo o Sábado é uma coisa perfeita. Não é algo para crescer; é algo para entrar e descobrir que é sempre perfeito, acabado. Essa é nossa primeira pista.
 
O descanso de Deus


Vejamos agora a segunda. É óbvio a partir desta passagem que o significado supremo do sábado é o descanso. Na verdade, a palavra "sete", a palavra "sábado", e a palavra "descanso", são todas as mesmas palavras básicas em hebraico, Shabbat, sete, sábado, repouso. Portanto, o coração do significado do sábado é o descanso. Esse é o principal significado. 
Não compreendamos mal, isso não significa descanso, como muitas vezes o pensamos. Quando trabalhamos arduamente e estamos cansados, precisamos descansar para restaurar nossa força. Mas este não é o significado da palavra aqui. Aqui significa simplesmente o fim da atividade, a cessação do esforço. Deus não estava cansado do seu trabalho criativo, ele não precisava descansar para restaurar a força. Sabemos que Deus é onipotente, literalmente "todo-poderoso". Ele não se cansa e o seu mais árduo gasto de energia não diminui o seu poder de forma alguma, Ele parou porque Ele acabou. É o que fazemos quando acabamos com algo, paramos e isso foi o que Deus fez. Ele tinha feito tudo o que pretendia fazer e descansava no meio de uma criação perfeita. Portanto, o verdadeiro sábado, aprenderemos com essa pista, não é a manutenção de um dia especial, mas o fim de um esforço específico. É isso que o sábado significa.
 
O descanso APENAS da atividade criativa
Como um terceiro ponto aqui, o esforço específico de que Deus descansou, foi a criação. O texto diz que Deus descansou de toda a sua obra que ele fez na criação (Génesis 2: 3). Este é o ultimo relato de qualquer atividade criativa. O homem foi criado e Deus descansou, e não houve criação desde então. O homem é o último esforço de Deus na criação, no nível físico. Portanto, este sábado, esse descanso sobre o qual Deus entrou, continua ainda hoje. Deus não está criando fisicamente hoje. Deus é incessantemente ativo de muitas maneiras, mas não na criação. No quinto capítulo de João, quando Jesus estava na sinagoga, os judeus estavam muito angustiados porque ele havia curado um homem no sábado. Os fariseus acusaram-no de quebrar o sábado e Jesus lhes respondeu dizendo: "Meu Pai está trabalhando até agora, e eu também estou trabalhando" (João 5:17). Seu argumento era que, era apropriado que ele fizesse uma ação de misericórdia no dia do sábado, porque ele simplesmente estava imitando seu Pai, que estava incessantemente ativo em misericórdia e amor em seu dia de sábado, seu longo descanso. Deus parou de criar, mas ele ainda estava ocupado de mil maneiras diferentes. Assim, o sábado significa apenas que a atividade criativa de Deus acabou.


 A tipologia do sábado
Como um quarto ponto, devemos reconhecer que o sábado semanal, ou seja, o dia sábado, não é o verdadeiro sábado/ shabbat, pois há muito que não seguimos o calendário Bíblico. Atualmente o sábado é uma imagem ou uma lembrança do verdadeiro sábado, que significa descanso. Obviamente que Deus sabia que ao longo do tempo tal aconteceria então somos da opinião que Deus cria a instituição do sábado judeu como uma sombra, uma imagem desse descanso. E como qualquer teólogo sabe, todas as sombras do Antigo Testamento apontam para Cristo. Elas eram profecias, previsões, da vinda de Aquele que cumpriria todas essas coisas notáveis. Todo cordeiro que foi trazido como oferta foi uma sombra da obra de Cristo. Toda a oferta queimada, todo o incenso oferecido, era uma imagem da fragrância de Jesus Cristo. O tabernáculo era uma sombra dele. O sumo sacerdote, nas suas vestes e em seu sacerdócio, era uma sombra de Cristo como nosso Sumo Sacerdote. Leia o livro de Hebreus e verá quão lindamente tudo isso é trazido. Essas sombras do Antigo Testamento estavam ansiosas para a chegada daquele que cumpriria essas e assim acabaria com elas. Quando a obra de Jesus Cristo acabou, as sombras não eram mais necessárias.
Quando o Senhor veio, e seu trabalho terminou, possibilitando o verdadeiro cumprimento da intenção de Deus no sábado, a sombra, a previsão não era mais necessária. O sábado semanal terminou na cruz. Paulo diz isso especificamente. Na carta aos Colossenses, ele nos confirma. No Capítulo 2, começando pelo versículo 13, ele diz:
Quando vocês estavam mortos em pecados e na incircuncisão da sua carne, Deus os vivificou juntamente com Cristo. Ele nos perdoou todas as transgressões, e cancelou a escrita de dívida, que consistia em ordenanças, e que nos era contrária. Ele a removeu, pregando-a na cruz, e, tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz. Portanto, não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado. Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo. 
Colossenses 2:13-17

Isso deve deixar o assunto claro. É por isso que as reivindicações das igrejas que afirmam que alguns cristãos mudaram o Shabbat/sábado são absurdas. Eles afirmam que o Papa mudou o Shabbat por um edital papal do sábado para domingo, e que em torno do terceiro ou quarto século os cristãos começaram a celebrar o domingo, em vez do sábado, como o dia de descanso de Deus, por obediência a este edital papal. Mas isso não é verdade, a história não corrobora isso. O Shabbat sempre foi sábado e sempre será. É o sétimo dia da semana. O domingo sempre foi o primeiro dia da semana, nunca foi Shabbat. Não é um dia de descanso ou atividade restrita e não é projetado como tal. É o primeiro dia da semana; para alguns cristãos, o dia do Senhor/ressurreição.

O dia sábado/Shabbat de sombra terminou na cruz, como Paulo deixou claro. O dia seguinte foi o dia da ressurreição, o dia em que o Senhor Jesus veio do túmulo. Naquele dia, um novo dia começou - o dia do Senhor. 

O descanso em Jesus
Embora este sábado de sombra, ou seja, a observância do sábado, tenha terminado na cruz, o verdadeiro sábado, o descanso de Deus, a cessação do esforço de Deus, continuou e ainda continua hoje. Esse sábado, em sua aplicação para nós, é definida em Hebreus 4, versículos 9 e 10:
 
Assim, ainda resta um descanso sabático para o povo de Deus [e está disponível para nós agora]; 
pois todo aquele que entra no descanso de Deus, também descansa das suas obras, como Deus descansou das suas.
Hebreus 4: 9-10
 
Este é o verdadeiro sábado, cessar de seus próprios trabalhos, seus próprios esforços, sua própria atividade; cessar de suas próprias obras. " A implicação é que você cessa de seus próprios esforços e depende do trabalho de Outro. Essa é a implicação completa do livro de Hebreus, Outro irá trabalhar através de você.
Jesus reafirmou o princípio de que o descanso sabático foi instituído para aliviar o homem de seus trabalhos, assim como Ele veio nos aliviar de nossas tentativas de alcançar a salvação pelas obras. Já não mais descansamos por apenas um dia, mas para sempre deixamos de trabalhar para alcançar o favor de Deus. Jesus é o nosso descanso das obras agora, assim como é a porta para o céu, onde descansaremos nele para sempre. Portanto, o segredo da verdadeira vida cristã é cessar da dependência da própria atividade (obras) e descansar em dependência da atividade de Deus. Isso cumpre o sábado, o verdadeiro sábado.

 
Na salvação e na vida
 
Mas este descanso sabático do homem não se restringe à sua salvação, também na vida quotidiana encontramos aplicação prática. Muitos cristãos insistem em procurar uma vida feliz ou de sucesso (seja em que área for) mediante os seus próprios esforços e muitas vezes não o conseguem. Tal acontece porque na verdade duvidam e/ou não escutam as palavras de Jesus. Vejamos isso um pouco mais pormenorizadamente, porque essa é a provisão de Deus para viver adequadamente hoje. Jesus nos diz:

"Venham a mim, todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso.
Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, pois sou manso e humilde de coração, e vocês encontrarão descanso para as suas almas.
Pois o meu jugo é suave e o meu fardo é leve".
 
Mateus 11: 28-30

Observe que duas vezes naquela passagem é usada a palavra descanso. Um descanso é dado, o outro é encontrado: um é sentido quando primeiramente chegamos a Jesus Cristo. Ele nos dá descanso. Você lembra quando veio a Cristo? Você simplesmente acreditou no que a Bíblia disse, que na cruz do Calvário ele tomou seu lugar, ele morreu por você; Ele suportou o castigo pelo seu pecado; Ele foi ferido por suas transgressões, ele foi ferido por sua iniquidade; E você acreditou nisso. Imediatamente houve uma sensação de paz inundando seu coração, um silêncio. Você não sentiu mais culpa, não mais medo da morte, não há mais necessidade de esforços dolorosos para ganhar pontos com Deus. Você estava descansando no trabalho de Outro. Cristo pagou tudo; Você foi livremente perdoado. Que sensação de descanso foi! 
Mas com a continuação da vida cristã, você descobriu que os problemas começaram a retornar e as falhas surgiram. Qual é a resposta? Bem, é o que nosso Senhor disse: " Tomem sobre vocês o meu jugo e aprendam de mim, e vocês encontrarão descanso para as suas almas." (Mateus 11: 29-30a)

O jugo suave



De volta aos dias de Jesus, as equipes de bois que atravessavam as pradarias eram unidas com um grande jugo de madeira, feito para caber sobre os pescoços de dois bois. Um jugo é sempre feito para dois, nunca para um. Jesus era um carpinteiro, e na loja de carpinteiros de Nazaré, ele fazia pequenos joguetes. A partir disso, ele desenha essa expressão muito apta. "Entre no jugo comigo", ele diz, "você de um lado, eu do outro". Um jugo também é um símbolo trabalho e atividade controlada. Isso significa o fim do "self-service". Quando um boi é unido, ele não irá mais fazer o que quer fazer. Ele está sob a direção do motorista. Entrar nesse jugo significa o fim de correr a própria vida e procurar o seu próprio caminho. É isso que Jesus significa. 

Quando você entra no jugo com Jesus, espera que o Pai tome o programa de sua vida. Você pode se surpreender com o que Ele faz com isso. Você não tem mais o direito de decidir o que vai fazer com sua vida indiscriminadamente. Não faz diferença em que hora da sua vida você entra neste jugo, seja você um jovem no início da vida adulta, ou se é um homem de sessenta anos, com um grande negócio dependendo de você como principal executivo. Não faz diferença. Quando você entra no jugo com Jesus Cristo, desista do direito de determinar qual a sua vida. Você espera que Ele o dirija, pois Ele sabe o que é o melhor para si.
 
A crucificação do "EU"
É o trabalho Dele dar as ordens, é seu trabalho saber o que Ele quer que você faça. Ele pode fazer algumas mudanças dramáticas, ou não. Ele pode deixá-lo exatamente onde você está, fazendo o que está a fazer agora, ou Ele pode dizer-lhe para parar tudo, com grande custo talvez, e levá-lo a outro lugar para fazer outra coisa qualquer. Mas uma coisa é certa, não importa se Ele o envia a algum lugar ou deixa você exatamente onde está - o que ele certamente fará é removê-lo do centro das atenções, e fora do centro das coisas, ele irá inscrevê-lo na escola. E você sabe qual será o currículo? 
"Aprenda de mim, pois sou manso e humilde de coração"
Mateus 11: 29
Ele começará a ensinar-lhe a humildade - como não ser o centro das atenções, como se contentar com deixar alguém obter todo o crédito. Ele irá inscrevê-lo na escola que anula a satisfação do ego. Esse é o princípio pelo qual o mundo vive, na sua ilusão. É o que está destruindo a vida humana; O desejo de ser um deus, seu próprio deus; Para correr a sua vida para se adequar a si mesmo. Isso nunca pode ser para aqueles que são chamados a ser de Jesus Cristo - "você não é seu, você foi comprado por preço" (1 Cor 6: 19-20).

A razão pela qual você não pode entrar na alegria, glória e excitação do resto que Deus providenciou ao cessar vossas atividades e descansar sobre as Suas, é porque, de alguma forma, você está protegendo alguma área do ego, dizendo: "Isto é meu, mantenha suas mãos fora". Enquanto você fizer isso, você não pode descansar, não pode observar o verdadeiro Sábado.
 
Morrer para frutificar


Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto.
João 12:24
Este é o segredo da felicidade humana. Enquanto você mata seu ego e se entrega a Jesus, uma coisa maravilhosa começará a acontecer. Você encontrará descanso. Jesus disse que sim. Descanso, com tudo o que implica em termos de felicidade e sucesso; Reinando, governando, produzindo o que vale a pena e satisfatório na vida. Esse é o segredo da vida. 
E assim se encontrará descanso e verdadeiramente se cumprirá o sábado, pois isso é o que o Shabbat realmente é: a provisão divina de Deus para nós. No único julgamento que vale a pena, o julgamento perante os anfitriões reunidos do céu, quando toda vida é revista quanto à validade da vida, seja ela atingida ou não, o segredo de um sucesso que merecerá as palavras De Jesus, "Bem feito, servo bom e fiel", é aprender o descanso de Deus, o verdadeiro Sábado.
 

Conclusão

Assim concluimos que a verdadeira guarda do descanso sabático não é nada fazer num dia especìfico da semana, como uma "obra" necessária para a salvação. Quem pensa assim entra na verdade até em conflito com os ensinamentos de Paulo no Novo Testamento. 
Como vimos o mandamento da guarda do Sábado no Velho Testamento, além de ser uma imagem da salvação em Cristo, é sim, como vimos, descansar na obra que Jesus fez por nós consernante a nossa salvação e ainda aceitar e cumprir os seus mandamentos, descansando que Ele, como Nosso Senhor, conduzirá a nossa vida trazendo a verdadeira paz e felicidade.
Não há nenhum outro descanso sabático além de Jesus. Só Ele satisfaz os requisitos da Lei e oferece o sacrifício que expia o pecado. Ele é o plano de Deus para que cessemos o trabalho de nossas próprias obras. Que não nos ousemos a rejeitar este único Caminho de salvação (João 14:6). 
 
"Como escaparemos nós, se descuidarmos de tão grande salvação?"
Hebreus 2:3

 

 Fontes

 "Como Jesus é o nosso Descanso Sabático?"
 
Jesus is our Sabbath Rest
  http://www.ldolphin.org/sabbathrest.html