Amor à família VS Amor a Deus

30/06/2015 12:17
                                
Jesus disse: "Se alguém vem a mim e ama o seu pai, sua mãe, sua mulher, seus filhos, seus irmãos e irmãs, e até sua própria vida mais do que a mim, não pode ser meu discípulo. E aquele que não carrega sua cruz e não me segue não pode ser meu discípulo".
Lucas 14:26-27                    
 
Estas palavras de Jesus poderão parecer surpreendentes, particularmente à luz dos Seus próprios dizeres sobre amar o nosso próximo e demonstrar amor também pelos nossos inimigos. Sabemos também que a família é um núcleo fundamental nos valores cristãos. Sendo assim o que poderão significar estas palavras do Senhor?
Mais uma vez para um correto entendimento é necessária uma correta contextualização, vamos analisar:
 

-Amar Pai e mãe

Sabemos que um dos mandamentos bíblicos é honrar pai e mãe:
"Honra teu pai e tua mãe, a fim de que tenhas vida longa na terra que o Senhor, o teu Deus, te dá. “
Êxodo 20:12
O próprio Jesus confirmou tal mandamento e como é óbvio a passagem em análise nada tem a ver com o nosso amor à família, que deve estar sempre presente em nossos corações. Mas existe um primeiro mandamento bíblico:
“Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas
Mateus 22:37-40
Antes de mais convém que se diga que esse “amor” a Deus deve ser entendido como um amor respeitoso, i.e., esse sentimento deverá representar acima de tudo respeito por toda a obra divina que é perfeita e boa para connosco, aliás essa seria a tradução correta da palavra “amor” nesse contexto.
Deus é nosso Pai, ele é bom e justo e devemos tê-lo como modelo de perfeição, porque na verdade, Ele o é! 
É ainda impossível amar a Deus sem amar aos outros, um dos apóstolos de Jesus escreveu:
“Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”.
 1 João 4:20
Mas infelizmente quando nos convertemos cristãos nem sempre os nossos familiares entendem que a partir desse ponto as palavras de Jesus passam a ser a nossa prioridade em detrimento das crenças e valores do mundo.
Muitas vezes nossos familiares não estão preparados para aceitar os conceitos de verdade e justiça divinas e se levantam contra nós alegando sua autoridade paternal, é nestes casos que o nosso amor à verdade deve ser superior. Como é óbvio devemos ser respeitosos independentemente do conflito, existem formas e formas de discordar e caso nossos familiares rejeitem a Jesus devemos ainda assim ser respeitosos e demonstrar nosso amor para com eles, ainda que não concordemos e pactuemos com seu modo de vida.
 

-Filhos

A questão dos filhos é um pouco mais complexa pois para muitos os filhos são a coisa mais importante em sua vida, entrando até numa certa idolatria para com os mesmos.
Alguns pais aceitam todo e qualquer comportamento dos seus filhos, ainda que errado, dessa forma pactuam muitas vezes com comportamentos claramente opostos aos ensinos de Jesus.
A superprotecção também não contribui com uma correta educação dos filhos e muitos pais fazem dos filhos alguém que mais tarde em sua vida poderá ter problemas devido a tal. Deve existir limites pois amar não é dizer que sim a tudo.
O problema é que pactuar com os erros de nossos filhos ou mesmo amá-los mais do que a Deus não está certo. Se amarmos a Deus em primeiro lugar, amaremos a nossos filhos da maneira certa e justa e que fará deles verdadeiros homens e mulheres que contribuem para um mundo melhor.
Se temos filhos é graças a Deus, sendo assim amemos primeiro a quem nos deu tamanha dádiva e que não vem sem que tenhamos responsabilidades por sua educação e futuro.
 

-A própria vida e a nossa cruz

E para terminar, o amor a nós mesmos.
Meus amigos como é óbvio quando nos tornamos cristãos entramos em imediata rota de colisão com este mundo injusto e cruel. A sociedade actual de imediato nos taxa de fanáticos e malucos por acreditarmos na guerra espiritual por nossas almas e considerarmos Jesus o nosso salvador, tendo a esperança de uma vida e um mundo melhor em nosso futuro.
Como dizia Paulo:
“Se quisesse ainda agradar aos homens, não seria servo de Cristo.”
Sendo assim e com essa nossa fé, devemos estar preparados para suportar a “nossa cruz”, i.e., o custo de ser discípulo de Jesus neste mundo, sofrendo muitas vezes tribulação, insultos e desprezo daqueles a quem desejamos ajudar.
A negação do ego é algo difícil de fazer, mas importante na vida cristã. Num mundo hostil à verdade, este é o custo do discipulado cristão.
 

Conclusão

Jesus é Deus, Ele é nosso Pai celestial, com Amor nos fez para sermos felizes com Ele na luz, mas infelizmente a humanidade muitas vezes prefere o pecado que leva à morte.
Se queremos a vida e a vida dos que amamos devemos colocar a Deus acima de tudo, sabendo que assim contribuiremos para a salvação de todos os que amamos neste mundo, ainda que tenhamos que nos opor a eles suportando tristezas e tribulações temporárias, pois no fundo é para o bem deles.
Jesus deu sua vida para nossa salvação das garras da morte e satanás, não pode existir maior Amor que esse, o mínimo que posso fazer é respeitar e honrar esse verdadeiro Amor.
Para mim Deus está à frente de tudo, sabendo que dessa forma poderei ajudar à salvação daqueles que ainda não entendem o porquê da nossa esperança.
Ou seja, Ame a Deus e verdadeiramente amará o seu próximo!
Um abraço.
 

Fontes:

COMO HONRAR PAI E MÃE QUANDO ELES SE OPÕE A FÉ EM JESUS?
http://www.pulpitocristao.com/2015/04/como-honrar-pai-e-mae-quando-eles-se.html
Sobre o Chamado ao Verdadeiro Amor à Família e aos Amigos
http://www.cprf.co.uk/languages/portuguese_loveoffamily.htm#.VYveyvlViko
Os Dois Grandes Mandamentos
http://www.estudosdabiblia.net/jbd096.htm